Oídio na abóbora: o que é e como se livrar dele?

Jeffrey Williams 20-10-2023
Jeffrey Williams

Desde o míldio nos tomates até à podridão castanha nos pêssegos, os horticultores estão demasiado familiarizados com a forma como as doenças fúngicas podem afetar a produção e o aspeto das suas plantas. Na cultura da abóbora, uma doença conhecida como oídio é muitas vezes o nosso maior inimigo. Quer esteja a cultivar variedades de abóbora de verão ou de inverno, aprender a identificar e a controlar o oídio pode levar a uma produção mais saudável e mais produtivaEste artigo oferece dicas para identificar e prevenir o oídio na abóbora, bem como uma lista de variedades resistentes. Também encontrará detalhes sobre produtos de pulverização orgânicos que pode utilizar para gerir esta doença na sua horta.

O oídio é uma das doenças mais comuns na horta.

O que é o oídio?

As infecções de oídio são causadas por várias espécies diferentes de fungos. Cada espécie tem as suas próprias plantas hospedeiras preferidas. A espécie de oídio que afecta a folhagem da abóbora ( Erysiphe cichoracearum ) é diferente dos que visam as ervilhas ( Erysiphe pisi ) ou berinjelas ( Leveillula taurica Curiosamente, este fungo vive no exterior das folhas e não penetra no tecido interior, podendo apenas crescer na superfície da folha.

Independentemente da planta que está a ser atacada por cada espécie, o aspeto do oídio é o mesmo. É uma das doenças mais comuns das plantas e, como o seu aspeto é tão distinto, é bastante fácil de identificar. O oídio faz com que as folhas pareçam ter sido polvilhadas com pó de talco. O oídio é branco a cinzento. A maior parte desse pó branco consiste em esporos que são facilmentetransportadas pelo vento para outras folhas próximas.

Embora a espécie de oídio que afecta estas plantas de ervilha seja diferente da que ataca a abóbora, todos os oídios aparecem como um pó branco e poeirento nas folhas.

Se não for tratado, o oídio acaba por formar pequenas estruturas redondas que se tornam castanhas e eventualmente pretas, produzindo os "esporos em repouso" que permitem que a doença passe o inverno no jardim.

Veja também: A melhor altura para plantar árvores num jardim doméstico: primavera versus outono

A última fase da infeção por oídio torna as folhas da abóbora amarelas e estaladiças, fazendo-as murchar e morrer.

Condições que favorecem o oídio da abóbora

Ao contrário de muitas outras doenças fúngicas, o oídio não precisa de condições húmidas para se instalar no seu jardim; dá-se bem com tempo quente e seco. Esta caraterística torna-o um desafio mesmo durante as estações de crescimento secas, quando o míldio, o bolor branco e outras doenças não são normalmente um problema. Os esporos do oídio podem chegar ao seu jardim através do vento, de plantas infectadas provenientes do viveiro,ferramentas "sujas", salpicos de gotas de chuva, mãos humanas e de esporos que hibernam no jardim em restos de plantas infectadas.

Embora este fungo se desenvolva em condições secas e quentes, para que os esporos de oídio se instalem, é necessário que a humidade seja elevada. Isto significa que as abóboras amontoadas e com fraca circulação de ar têm mais probabilidades de serem afectadas pelo oídio. O crescimento jovem é mais propenso a desenvolver oídio do que as folhas mais velhas, razão pela qual é frequente ver sinais nas folhas mais jovens primeiro.

As plantas de abóbora amontoadas e com fraca circulação de ar têm mais probabilidades de desenvolver uma infeção por oídio.

Sinais precoces de doença nas folhas de abóbora

O primeiro sinal de oídio nas abóboras são pequenas manchas brancas e poeirentas nas folhas jovens. Inicialmente, são apenas algumas manchas, mas o oídio espalha-se rapidamente, acabando por cobrir toda a superfície da folha. O oídio é mais comum na parte superior das folhas, mas também pode aparecer na parte inferior das folhas, nos caules e até nos frutos.

Os primeiros sinais de oídio são pequenas manchas aleatórias de "pó" branco na superfície superior da folha.

Como distinguir o oídio das marcas naturais das folhas

Algumas variedades de abóbora têm naturalmente marcas brancas nas folhas, o que torna difícil saber se a presença de manchas brancas é apenas uma caraterística física dessa variedade ou o início de uma infeção por oídio. A forma mais fácil de saber é observar os padrões das manchas brancas. Se estiverem posicionadas de forma algo uniforme na folha, entre as nervuras da folha, é provavelmente umaSe as manchas forem irregulares e colocadas ao acaso, é provável que se trate de oídio.

Também pode limpar ligeiramente as manchas com a ponta do dedo. Se houver pó que saia facilmente, é bolor. Se não houver, é parte da folha. (Lave as mãos depois de fazer isto para não espalhar inadvertidamente os esporos para outra folha!)

Algumas variedades de abóbora têm naturalmente manchas brancas nas folhas. Certifique-se de que o que está a ver é o oídio e não uma caraterística dessa variedade.

Como o fungo afecta as plantas de abóbora

A boa notícia é que, uma vez que estes fungos vivem na superfície da folha e não são capazes de penetrar no tecido foliar propriamente dito, o oídio é, em grande parte, um problema estético (o que significa que faz com que as plantas não tenham um aspeto tão bom). No entanto, uma camada pesada de oídio nas folhas de abóbora afecta a sua capacidade de fotossíntese e pode, com o tempo, afetar a produtividade da planta e reduzir os rendimentos. Quando grave,Estas folhas mortas podem desenvolver uma podridão que se espalha rapidamente para a coroa da planta.

O oídio na abóbora também pode afetar a resistência das plantas a outras pragas e doenças. Quando enfraquecidas pela doença, as plantas de abóbora são mais propensas a problemas com insectos da abóbora, brocas da vinha, botrytis e outras pragas e doenças.

As manchas de oídio nesta folha jovem estão a começar a expandir-se. A remoção total da folha impedirá que os esporos se espalhem.

Como prevenir o oídio na abóbora

A prevenção é muito importante quando se trata de oídio na abóbora. Faça tudo o que puder, o mais cedo possível, para evitar que se instale no seu jardim.

Eis algumas dicas importantes para a prevenção do oídio:

  1. Proporcione uma boa circulação de ar, espaçando as plantas de abóbora a vários metros de distância.
  2. Não toque em folhas infectadas e depois toque em folhas saudáveis, pois estará a espalhar esporos!
  3. Plantar a abóbora sempre ao sol, pois as condições de sombra são mais húmidas, o que favorece a germinação dos esporos.
  4. Corte o mais rapidamente possível as folhas que apresentem sinais precoces de infeção, deite-as no lixo ou queime-as e mantenha-as fora da pilha de compostagem.
  5. Não aplicar fertilizante azotado a meio da estação de crescimento, pois isso provoca um fluxo de crescimento novo que é mais propenso à doença.
  6. Remova e destrua todas as plantas infectadas no final da estação de crescimento para se livrar do maior número possível de esporos. Não faça compostagem, deite-as no lixo, enterre-as ou queime-as.
  7. Podar metade das folhas de cada planta no início da estação para reduzir o nível de humidade à volta da planta e limitar as possibilidades de infeção.
  8. Há algumas provas de que os pulverizadores de leite podem ajudar a prevenir o oídio, mas também podem aumentar a possibilidade de desenvolver outras doenças fúngicas. Além disso, à medida que se decompõem, produzem um cheiro muito acre.
  9. PLANTAR VARIEDADES RESISTENTES (mais sobre isto na secção seguinte).

À medida que a doença progride, as folhas da abóbora podem desenvolver manchas amarelas que acabam por ficar castanhas e estaladiças. As plantas infectadas também ficam enfraquecidas e mais propensas a ataques de insectos.

Antes de apresentarmos a nossa abóbora favorita resistente ao míldio, veja este pequeno vídeo com mais informações sobre como identificar e gerir esta doença:

Variedades de abóbora resistentes ao oídio

A sua primeira linha de defesa na plantação de abóboras é plantar sempre variedades com uma resistência conhecida ao oídio. Isto faz todo o sentido. Se nunca desenvolver a infeção em primeiro lugar, nunca terá de se preocupar em controlá-la.

Felizmente, os criadores de plantas reconheceram o quão problemático o oídio é para os jardineiros e agricultores, por isso existem muitas variedades de abóbora resistentes ao oídio. Nos catálogos de sementes, procure o código PM na descrição de cada variedade. Este é o código para a resistência ao oídio. Aqui estão algumas das minhas favoritas:

Variedades de abóbora resistentes ao oídio

  • Delta" - amarelo
  • 'Yellowfin' - amarelo reto
  • 'Smooth Operator' - amarelo reto
  • Mexicana - verde-claro direito
  • 'Emerald Delight' - verde escuro reto
  • 'Cash Machine' - verde médio reto
  • 'Astia' - planta compacta; verde médio reto

Variedades de abóbora de inverno resistentes ao oídio

  • 'Autumn Frost' - especialidade butternut
  • "Butterbaby" - butternut pequeno
  • "Havana" - butternut
  • Bolota amarela "Goldilocks" - bolota amarela
  • 'Honey Bear' - bolota compacta
  • 'Sugarbush' - bolota compacta
  • "Bush Delicata" - tipo delicata

Produtos em spray

Se sentir que esta doença está a afetar negativamente a produção, o rendimento ou a estética das suas plantas de abóbora, pode intervir com um produto de controlo. Embora todos os produtos que recomendo abaixo sejam orgânicos e muito mais amigos do ambiente do que a maioria dos fungicidas sintéticos de base química, devem ser utilizados com cuidado. Siga todas as instruções do rótulo e proteja-se adequadamente.Não pulverize quando os polinizadores estiverem activos e seja inteligente ao utilizá-los apenas quando necessário.

Se a prevenção não funcionar, existem vários produtos biológicos para controlar o oídio nas abóboras.

A mistura de Cornell

Investigadores da Universidade de Cornell descobriram que a combinação de bicarbonato de sódio (bicarbonato de sódio) com óleo leve de horticultura previne e combate o oídio em abóboras e outras plantas. Para fazer a mistura de Cornell, misture 1 colher de sopa de bicarbonato de sódio com 2 ½ colheres de sopa de óleo de horticultura (gosto da marca All Seasons) com 1 galão de água num pulverizador de bomba. Pulverize a cada 14 dias.um preventivo.

Bacillus subtilis e B. amyloliquefaciens

Veja também: Como integrar técnicas de jardinagem regenerativa numa horta doméstica

Estes fungicidas biológicos utilizam uma bactéria natural que se encontra frequentemente nos solos para combater o oídio da abóbora. Por outras palavras, utilizam um organismo vivo para controlar outro organismo vivo. Fungicidas baseados em B. subtilis e B. amyloliquefaciens Existem várias marcas diferentes; entre as mais comuns estão Monterey Complete Disease Control e Revitalize.

Óleo de neem

Extraído das sementes e dos frutos da árvore tropical do neem, o óleo de neem é frequentemente utilizado como pesticida. No entanto, o óleo de neem é também um fungicida eficaz contra o oídio nas abóboras. É melhor utilizá-lo como preventivo, antes que o oídio se torne grave. As marcas mais comuns incluem o óleo de neem Monterey e o óleo de neem Garden Safe. Tenha cuidado ao aplicar produtos à base de neem, uma vez que são ligeiramente tóxicos paraNão pulverizar quando as abelhas estão activas.

Um pouco de oídio nas abóboras não é o fim do mundo, basta tentar controlá-lo e evitar que se espalhe.

Cura do oídio

Infelizmente, não existe uma cura completa para o oídio na abóbora ou em qualquer outra planta. Felizmente, ainda poderá colher muitas abóboras, mesmo quando o oídio estiver presente na sua horta. A sua primeira linha de defesa é plantar sempre variedades resistentes. Siga as técnicas de prevenção descritas acima e utilize produtos apenas como último recurso. Mesmo com o oídio na sua horta,é provável que ainda seja abençoado com muitas abobrinhas para partilhar com os seus vizinhos.

Para mais informações sobre como gerir as doenças na horta, consulte os seguintes artigos:

    Fixe-o!

    Jeffrey Williams

    Jeremy Cruz é um escritor apaixonado, horticultor e entusiasta de jardins. Com anos de experiência no mundo da jardinagem, Jeremy desenvolveu uma compreensão profunda das complexidades do cultivo e cultivo de vegetais. Seu amor pela natureza e pelo meio ambiente o levou a contribuir com práticas de jardinagem sustentáveis ​​por meio de seu blog. Com um estilo de escrita envolvente e um talento especial para fornecer dicas valiosas de maneira simplificada, o blog de Jeremy tornou-se um recurso obrigatório para jardineiros experientes e iniciantes. Quer se trate de dicas sobre controle de pragas orgânicas, plantio de companheiras ou maximização de espaço em um pequeno jardim, a experiência de Jeremy brilha, fornecendo aos leitores soluções práticas para aprimorar suas experiências de jardinagem. Ele acredita que a jardinagem não apenas nutre o corpo, mas também nutre a mente e a alma, e seu blog reflete essa filosofia. Em seu tempo livre, Jeremy gosta de experimentar novas variedades de plantas, explorar jardins botânicos e inspirar outras pessoas a se conectarem com a natureza por meio da arte da jardinagem.